OsTrotamundos

A vida é Trotar por este mundo!

Nos Passos de Magalhães II – Dia 12 Nov

O dia 12/nov não teria nada especial, apenas o deslocamento entre Rio Grande na Argentina para a cidade de Punta Arenas no Chile. O deslocamento relativamente curto 420km, seriam acrescidos de aduanas e da balsa sobre o estreito de Magalhães. Como paisagens as montanhas ficaram para trás e os campos repletos de rebanhos ditaram o cenário novamente.

Punta Arenas é zona franca e a esperança era que conseguiríamos melhores câmbios e realizar compras de artigos esportivos, leia-se meias, calças e blusas de frio, e de artigos eletrônicos. Pura decepção, cambio normal, perdemos muito tempo para encontrar hotel (ficamos divididos em 3 grupos), e para completar os preços não estavam tão atrativos assim.

Pasto com ovelhas de cara preta

Travessia do Estreito de Magalhães na balsa Patagonia.

E a ilha Tierra del Fuego fica para trás

Descanso na "longa" travessia de 30 minutos

Anúncios

16/11/2010 Posted by | Aventuras | , | Deixe um comentário

Nos Passos de Magalhães II – DIA 11 nov

Saimos de Ushuaia no dia 11/nov, sendo que o Ramalho, Gloriete, Henrique, Negâ e Cássia ficaram para tentar curtir um pouco mais a cidade, uma vez que chegaram na véspera. Destino Rio Grande ainda no lado Argentino. É um percurso curto de 215km, mais estratégico, pois na seqüência o objetivo será Punta Arenas no Chile, que significa aduana e balsa pelo estreito de Magalhães.

No caminho mais paradas para fotos no lago escondido e no belissimo lago Fagnano. Um dia tranquilo para viajar e relaxar. Em Rio Grande ficamos no Hostal Antares e dali para o restaurante Tienda Sara com menu del dia de fetuchini bolonhesa “mui caliente”.

Paso Garibaldi

Rota 3

Carros alinhados em frente ao lago Fagnano

Um pouquinho de 4x4 reduzida só para dizer que saímos fora da estrada.

Belíssima composição. Das milhares que vemos todos os dias.

16/11/2010 Posted by | Aventuras | , | Deixe um comentário

Nos Passos de Magalhães II – EM USHUAIA, Terra do Fogo

Tierra del Fuego – A região tem esse nome por acaso. Devido ao seu clima extremamente frio, inóspito, os indígenas locais mantinham fogueiras permanentemente acesas para se aquecer. Há quase 500 anos, exploradores do Velho Mundo que por aqui se aventuravam se deparavam com fogos dispersos e colunas de fumaça. Possivelmente esta foi a imagem que deu origem ao nome da ilha.

Ushuaia – Cidade mais meridional da Argentina e do continente americano e do mundo. Austral = ao sul. Ponto de partida para a maioria das expedições  rumo à Antártica, tem o apelido de “o fim do mundo”, o que a torna mais cobiçada por viajantes de todo o globo.  Ushuaia foi a grande primeira meta da expedição Nos Passos de Magalhães II, sendo atingida por parte do grupo no dia 8, depois no dia 09 e acoplamento total da equipe em 10 de novembro.

Os eventos nos dias que se passaram foram muitos, muitos ficaram adoecidos e utilizaram o tempo para recuperar das subitas mudanças de temperatura e umidade que enfrentamos. Outros conseguiram visitar os parques, museus, passeios de barco e todos foram as compras, carimbar o passaporte com selo do fim do mundo e ao tradicional Cordeiro Patagônico regado com Vino del fin del mundo no restaurante La Instancia, muito boa recomendação de amigos da Rita e do Alex.

Ferrocarril Austral Fueguino

Fim da Rota 3 no parque Tierra del Fuego

Canal de Beagle

Canal de Beagle - outra ponto

Vista do final do canal de beagle no Parque Nacional

Perro campeño no Parque Nacional

Num dos muitos jardins da cidade na Avenida Maipu

Fechando a noite com Cordeiro Patagônico assado num "tenedor libre"

vino austral

Boa Noite Ushuaia

16/11/2010 Posted by | Aventuras | , | Deixe um comentário

Nos Passos de Magalhães II – FIN DEL MUNDO

E FINALMENTE USHUAIA

Como relatado no post anterior apenas parte do grupo vivenciou desta forma as palavras que se seguem. Mas aposto que suas aventuras foram tão grandiosas como a nossa.

Quando a gente se propõe a participar de um expedição como a Nos Passos de Magalhães II esperamos enfrentar toda sorte de situações nas estradas. Calor, frio, vento, chuva e até neve. Estradas boas e ruins, de asfalto e de terra. Sabemos que iremos passar por aduanas e que teremos que embarcar as viaturas que não flutuam em balsas. Sabemos que terão retas e curvas, montanhas, lagos e o oceano como cenários. Sabemos que animais estarão ao longo da estrada e que farão parte das nossas preocupações de pilotagem.

Pois bem, os 570 km entre Rio Gallegos e Ushuaia, não são mais distantes que a viagem Vitória – BH, a qual estou acostumado. Mas esta viagem foi especial. Não obstante levamos 14 horas para vencer este espaço. E digo porque. Simplesmente o trecho entre Rio Gallegos e Ushuaia tiveram todos , repito, todos os elementos listados no parágrafo anterior. Foi uma viagem tão especial que chegou a ser inefável. Pois bem segue então as imagens.

Entrada na Tierra del Fuego

On a trip, take your time to follow!

Chegado ao Estreito de Magalhães.

Viaturas alinhadas para embarcar na balsa de travessia do Estreito

Balsa Patagônia

Pior que não terminar uma viagem é nunca partir.

Amyr Klink

Viaturas dentro da balsa

“Um dia é preciso parar de sonhar e, de algum modo, partir”

Amyr Klink

Vista do estreito e da costa. Os golfinhos apareceram durante a viagem por breves momentos.

Uma longa viagem começa com um único passo.

Lao-Tsé

Guanacos. São centenas próximos as pistas e volta e meia a atravessam no galope.

Nos intermináveis pastos rebanhos de cordeiros. Sim, existe mais cordeiros que gente na Tierra del Fuego.

Flamingos em pequenas lagoas.

Gado por entre as primeiras árvores que vemos a uns 2 mil km.

Já estive aqui antes e voltarei outra vez, mas não terminarei esta viagem.

Bob marley

chuva, ripio e muita energia positiva.

Trecho da rota 3 contornando o lago Fagnano.

A sabedoria não nos é dada. É preciso descobri-la por nós mesmos, depois de uma viagem que ninguém nos pode poupar ou fazer por nós.

Marcel Proust

vista de um pedacinho minúsculo do lago Fagnano.

Para viajar basta existir.

Fernando Pessoa

Vista do Lago Escondido próximo ao Paso Garibaldi já com a neve caindo muito.

Montanhas e neves. Esta visão sempre me renova.

Uma longa viagem de mil milhas inicia-se com o movimento de um pé.

Lao-Tsé

Cabana Hannus com muita neve. Não pensem besteira, o "H" tem som de "R", afinal estamos no fim do mundo e não no c.. do mundo.

Tutit, o Pajero verde com bandeiras de Minas e do Brasil colados na porta do bagageiro, sentindo frio em Ushuaia.

Inefável, que significa o que não pode ser expresso verbalmente[1], é um termo utilizado para identificar algo de origem divina ou Transcendente e com atributos de beleza e perfeição tão superiores aos níveis terrenos que não pode ser expresso em palavras humanas.

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

11/11/2010 Posted by | Aventuras | , | 2 Comentários

Nos Passos de Magalhães II – Desgarro do Comboio

Conforme prometido temos de explicar a situação que o grupo esta vivenciando. Mas primeiro temos de definir “comboio”. Segundo os especialistas da wikipedia, dentre outros, comboio é uma composição de vários veículos capazes de movimentarem em conjunto. Desde o dia 05/11 que houveram episódios que não condizem com este conceito.

Em Trelew, como relatado anteriormente, um grupo seguiu para Punta Tombo e outros foram diretamente para Comodoro Rivadavia. Nesta ocasião tivemos problemas em nos comunicar para reencontrar. Mas fomos resgatados pelo Henrique no finzinho do dia. O Ramalho este dia estava bem gripado e não conseguiu acompanhar o Henrique na busca pelos atrasados do dia.

No dia seguinte, iriamos seguir todos para Puerto Deseado, mas o Ramalho sem condições de dirigir iria ficar mais um dia em Comodoro para descansar. Depois de muita conversa, eu assumi o volante da Nissan amarela bem adesivada e a Viviane ficou com o Tutit acompanhada pela Gloriete. Desde jeito todos percorreram os poucos mais de 300km que separavam estas cidades de forma tranquila. O que permitiu um belo passeio de barco no fim do dia, com direito a pinguins, vária aves e lobos marinhos.

Finalmente no domingo dia 07 de novembro, o desgarro começou. Sairam mais cedo a Nissan Amarela toda adesivada, já com o casal Ramalho e Gloriete novamente em suas posições e o Tutit, pajero TR4 verde com adesivos de Minas e do Brasil na porta do bagageiro. O objetivo era chegar mais cedo em Rio Gallegos à 750 km de distância para encontrarmos hotel para todos.

Mas o intento saiu pela culatra. Não mais de 40km de percurso a Nissan começou apresentar sinais de cansaço. O motor desligava, paravamos, aguardavamos uns 3 minutos e pegava novamente. Depois de uns 5 km o motor desligava novamente. E ficamos nessa um tempo até o restante do comboio conseguir nos alcançar. Numa reunião de beira de estrada via radio devido ao frio e ao vento, decidimos que um grupo formado pelo Ramalho, Alex e Henrique e as respectivas co-pilotas iriam devagar no ritmo da Nissan. Enquanto os demais iriam até a próxima Estacion del Serviço aguarda-los em Tres Cerros.

Em Tres Cerros com novas informações, bucho cheio e para-brisas limpos deferimos o rumo da viagem. O grupo formado por Bruno e Viviane (Tutit), Paulo, Suzana, Laura e Gabriela (Sorento), Carlos e Regina (Toyota verde escuro) e  Hajj e Jane (Hilux prata) seguiram em direção a Rio Gallegos. O grupo formado por Ramalho e Gloriete (Nissan Amarela), Henrique, Negâ e Cássia (Toyota verde escuro) e Alex e Rita (Troler com adesivo oncovô cê num vai) seguiram as duras penas para San Juan na esperança de conseguirem mecânico.

Resumindo a história foi que o primeiro grupo chegou em Ushuaia (vide próximo post) no dia 08 de novembro. Alex e Rita numa aventura solo cheio de tropeços e cambalhotas chegaram no dia 09 (vide blog do Alex: http://detrollernapatagonia.blogspot.com) e o grupo Ramalho, Gloriete, Henrique, Negâ e Cássia chegaram em Ushuaia no dia 10 no meio da tarde (mais ou menos 20hs).

A situação atual é a seguinte. Ramalho, Gloriete, Henrique, Negâ e Cássia irão ficar em Ushuaia uns 2 dias e depois seguirão viagem. O restante do grupo saiu hoje. O segundo objetivo da expedição é Torres Del Paine, onde iremos novamente nos agrupar e seguir caminho juntos.

Consideração Final: Desgarro foi apenas físico devido a problema na viatura do Ramalho, o grupo continua coeso e ligado seja pelo forte desejo de desbravar estas terras, seja pela solidariedade e da amizade que fortalece a cada dia. Todos os dias pensavamos em que ainda não tinha completado o primeiro objetivo da expedição, e a cada encontro era uma festa com abraços e felicitações. Todos os dias fazemos um circulo de mãos dadas e pedimos proteção em oração. Não duvidamos que Ele esteja nos conduzindo e nos protegendo nestas longas empreitadas que enfrentamos a cada dia.

Fotos seguirão nos próximos posts.

11/11/2010 Posted by | Aventuras | , | Deixe um comentário

Nos Passos de Magalhães II – Sem fazer pose

Por Vi Aouar & B.H.Rocha

No momento que escrevemos (09/11 – 3ª feira) já estamos em Ushuaia. Mas nem todos da expedição chegaram. No dia 07 começou o desgarro da comitiva. Mas esta história será tema do próximo post. No momento, devemos ao leitor e aos viajantes o cumprimento do protocolo de apresentação. Afinal apesar de estarmos na Argentina não podemos esquecer os bons modos.

Viatura:  Nissan Amarela cheia de adesivos

Viajantes: Ramalho e Gloriete

Ramalho é o nosso comandante, organizador e conhecedor desta viagem. Em seus mais de 3,5 milhões de quilômetros rodados no Brasil e fora dele tem experiência de volante para dar e vender. Gloriete é seu braço direito e esquerdo. Ela guia e ele pisa. Além de comandantes são os paizões do grupo, sempre atentos e preocupados com o bem estar de todos.

Nissan Amarela

Comandante Ramalho e sua gripe

Gloriete

Viatura: Troller cinza adesivado até o teto….

Viajantes: Alexandre e Rita

Surpreendente casal de trilheiros de BH, com um troller que corre muuuito, os trilheiros estão fazendo os demais comerem poeira no asfalto quando assumem a dianteira do grupo. A maior luta do casal é o sono do Alex e a falta de costume com longos trechos. Haja cebion, coca-cola com café, rebite, tapa no rosto pra deixar o minerim acordado. Rita é só paz e tranquilidade com a sua voz calma no radio.

Detalhe do Troller

Rita

Alex fazendo gracinhas em Punta Tombo

Viatura: Hilux prata muito linda e grande

Viajantes: José Hajj e Jane Mattos

Os dois amigos de longa data em Atibaia, não puderam ser acompanhados pelos respectivos cônjuges nesta expedição. A Jane é toda empolgação, alto astral e animo que contagia a todos. O Hajj senhor sério e sempre concentrado em seu GPS.

Hilux prata, zero bala com farois azulados

José Hajj sempre compenetrado

A super simpática Jane Mattos

Viatura:  Toyota Hilux verde escuro

Viajantes:  Carlos e Regina

Casal de Rezende/RJ – acostumados a pegar estrada e acampar, já mostraram com suas histórias que para quem quer por o pé na estrada nada é empecilho. Mesmo com filhos pequenos e sem as facilidades de hoje já rodaram muito no Brasil.

Toyota no comboio

Carlos Feitosa, o Pescador

Regina se preparando para o passeio em Puerto Deseado

Viatura: Sorento preta a diesel da Kia

Viajantes: Paulo, Suzana, Laura e a pequena Gabriela

Gabriela é uma fofura e está louca para continuar vendo pinguins na Patagônia inteira. Paulo, de Natal, não mede esforços para atender esse desejo da filhinha, colando e empurrando os carros a sua frente. Ele admite isso com um largo sorriso no rosto.

Suzana tem um sotaque nordestino muito gostoso de ouvir e Laura, sua sobrinha, é pura simpatia e toma conta direitinho da afilhada.

Paulo Sergio em ação

Suzana no desayuno em Comodoro Rivadavia

Gabriela

Laura

Viatura: Hilux verde escuro empanturrada até a tampa

Viajantes: Henrique, Negâ e Cássia

Tivemos poucas conversas com eles a ponto de apresenta-los apropriadamente, mas já sabemos que Henrique, sua esposa Negâ e sua irmã Cássia são pessoas simpáticas e não gostam de falar ao radio. Somem do comboio como o Mestre dos Magos, mas na hora da necessidade, se precisar ser resgatado no meio da selva da cidade grande ou ser rebocado no meio do deserto argentino lá estão de prontidão para ajudar. Devido a agenda, compromissos e outras necessidades, por diversas vezes não acompanharam o grupo, ora saindo depois, ora indo primeiro em outras cidades.

Henrique e a Toyota verde ao fundo

Negâ admirando o Atlântico em Rada Tilly

Cássia

09/11/2010 Posted by | Aventuras | , | Deixe um comentário

Nos Passos de Magalhães II – Sorriso Patagônico

Dia 05 seria apenas mais um dia de grande deslocamento entre as cidades de Rio Colorado até Comodoro Rivadavia. Mas o dia nos reservava surpresas.

Os pampas terminaram , mas suas caracteristicas ainda estavam presentes em grande trecho da viagem. Retas extremamente longas, agora na casa dos 60, 80 e até uma de 134km, com pouco ou nada no horizonte. Tão plano que eu e a Viviane tivemos vertigem. Isso mesmo. Quem é de Minas, acostumado com tantas montanhas nos cercando fica sem referencias em locais tão vastos. Até o Tutit, pajero TR4 flex com as bandeiras de Minas e do Brasil coladas na porta do bagageiro reclamou. Só precisavamos girar o volante para entrar no postos.

Mas eis que chegamos em Trelew, já com os ponteiros acima das 14 horas. Alguns incentivados por mim e pela Vi queria ir para Punta Tombo e outros mais cansados queriam acabar de chegar em Comodoro para descansar do longo dia.  Punta tombo, não é um eufemismo “hermano” para uma “grande queda” e sim o nome da região que abriga uma das maiores pinguineiras do mundo.

Mesmo com um desvio de terra de terra e outra estradinha provincial de uns 110km a mais, não poderiamos negar este passeio para a pequena Gabriela. Esta linda menina de 3 anos, filha do Paulo, veio de Natal até a Argentina querendo ver Pinguins. Inclusive associa a palavra Argentina como sendo local de pinguins.

Não tivemos mais dúvidas e caímos na estradinha para Punta Tombo, esperando não esborrachar nesta empreitada. Na entrada do parque o inicio da terra, e da lama. Tutit se divertiu como nunca. Nos 22 km de chão não errou uma pocinha se quer. Aliais isso foi muito bom, já que todos estão começando a colocar novas camadas de roupa contra o frio, nada mais justo do que o Pajero TR4 com bandeiras de Minas e do Brasil coladas na porta do bagageiro tb se cobrir.

Chegamos finalmente na bilheteria do parque, e dali mesmo já vemos tocas de pinguins protegendo seus ovos. O percusso escolhido pelo grupo, foi obviamente o mais longo para irmos até a zona de alto adensamento.

A principio ela ficou com medo das aves preto e branco, mas depois acostumou e se divertiu. Foi o maior sorriso que o efeito patagônico conseguiu causar desde o inicio desta jornada.

Outros animais apareceram nesta festa cujos participantes mais desalinhados eramos nós. Guanacos, gaivotas, pequenas lebres, emas e seus filhotes e outros pássaros.

Pequena Gabriela

Gabriela no colo do Paulo

Pinguin proximo a toca

Pinguin voltando de um lanchinho no Atlântico

Chefe dos clã dos Pinguins

Não me perguntem onde consegui o guarda-chuvas…..

Guanaco

Ema sem as eminhas...

06/11/2010 Posted by | Aventuras | , | Deixe um comentário

Nos Passos de Magalhães II – Deslocamento Rosario-Rio Colorado

Na Quinta-Feira, dia 04 novembro, foi mais um dia de deslocamento longo, 974 km de asfalto. Aliais acho que os Argentinos utilizam um ingrediente a mais na composição do concreto betuminoso asfáltico: Sonífero.  Como é difícil percorrer retas de 15, 20 ou 40 km de pura reta. Ainda mais tendo de controlar a velocidade, pois a tendência é acelerar fundo.

Nesta data saimos de Rosario sob uma chuva fina que persistiu nos primeiros 200km de viagem. Depois um sol amigo nos acompanhou.

A paisagem permaneceu bucolica, vastos campos de pastagens onde se via a famoso picanha maturada argentina “in natura” sendo abençoadamente formada. Imensas plantações salpicadas aqui e acolá por silos enormes de belas casas de fazendas.

As surpresas deste dia passaram rápidos pela janela do Tutit, tão rapido que a canon mal teve tempo de acordar. Um pequeno lago perene onde se viam flamingos rosas claros e em outra cena um lobo observa guloso um grupo de bezerros recem nascidos protegidos pela manada e pela porteira.

É claro, fomos parados pela Policia Caminera, na mudança de província. Ficamos sem frutas, carnes e queijos confiscados pelos bem alimentados policiais da fronteira.

Retas intermináveis....

Comboio se deslocando em grande estilo

Auto-Retrato

Parada do Pôr do Sol – Viaturas alinhadas

Sombra das viaturas atravessando a pista

Pôr do Sol na estrada para Rio Colorado

06/11/2010 Posted by | Aventuras | , | 1 Comentário

Nos Passos de Magalhães II – O Dia em Rosário

E para constar nos registros de viagem a 4ª feira foi dia de arrumar o carro (óleo, pneus etc), reorganizar as bagagens no carro (uma luta constante) e de passear pela bela cidade de Rosário.

Localizado na região de Pampa, na província de Santa Fé, Rosário é uma cidade grande no mesmo estilo de arquitetura e urbanismo da capital argentina. Construções antigas, prazas, monumentos, lojas, pubs, bares e cafés. Banhado pelo Rio Paraná é um importante centro portuário e comercial da Argentina.

Fundada em 1720, a 318km de Buenos Aires, é a terceira maior cidade do país. E Rosário também é famosa por ter sido o local onde nasceu, em 1928, o lendário guerrilheiro Che Guevara.

Simpatico e alternativo estabelecimento que mistura bar, loja e café

Feira ao ar livre no passeio da rua Córdoba.

Plaza 25 de maio

Monumento a soldados em Pasaje Juramento

Monumento Nacional a la Bandera

E amanhã será outro dia de grande deslocamento até Rio Colorado.

03/11/2010 Posted by | Aventuras | , | Deixe um comentário

Nos Passos de Magalhães II – O Fatidico Dia 02

Em plena 4ª feira todos levantam tarde para um desayuno no Hotel Império em Rosário, Argentina. Por sorte o café da manhã é servido até as 11hs. Este comportamento nada condizente com uma expedição tem sua razão de ocorrer. O motivo desta escapulida na disciplina da viagem foi o fatídico dia anterior 3ª feira. Que começo a relatar agora.

No dia de finados, enquanto alguns descansavam os viajantes de Nos Passos de Magalhães II acordavam antes das 6hs da manhã para sair no máximo as 6:30, para partir sem desjejum para o maior percurso previsto na viagem.

Painel do Tutit - Pajero verde com bandeiras de Minas e do Brasil coladas na porta do bagageiro

Após a prece, o grupo reunido com as viaturas ao fundo no pátio do Hotel em Eldorado às 6 da matina.

Após o engraçado acoplamento de Paulo e família à expedição em Pasos de Los Libres e de rodar os mais de 900 km previstos chegamos nas cabanas Naturalmente em Vila Urquiza pouco antes da cidade Paraná.

deslocamento tipico do dia

Acoplamento do Paulo em Pasos del Los Libres no posto Petrobras

A atividade mais constante desta viagem.

Infelizmente, Natural “mente” e não nos entregou o acordado. Nossa triste surpresa as pousadas não tinham a menor condição de nos abrigar. Não pela qualidade, pois o lugar era muito bonito e as cabana aconchegantes, mas sim pela quantidade. Tinham apenas 2 cabanas em condições de uso que abrigariam na melhor das hipóteses 10 pessoas. Nosso grupo, no entanto, possui 17 integrantes.

Entrada das Cabanas Natural"mente"

preocupação do comandante

Os carros em frente as 2 únicas cabanas disponíveis.

Espanto, decepção, reunião, discussão, telefonemas e a sentença. Vamos ter de “puxar” o dia por mais de 200 km. O astro rei já se ocultava no horizonte e nós recomeçávamos a marcha que culminaria em 1159km rodados em mais de 18 horas de direção, ânimos exaltados e corpos exaustos.

A benção nas mãos dos motoristas para continuar este desafio.

A lição que fica é que realmente estamos numa aventura. E portanto imprevistos podem ocorrer. Mudanças de planos será normal e o planejamento é uma trilha volátil e não um trilho imutável. O maior acontecimento do dia 02 foi o aprendizado de lidar com situações de extremo descontentamento e conseguirmos chegar a um final feliz. Pois depois da cabeça deitar no travesseiro o cérebro trabalha um pouquinho a mais e perceber que o dia não foi um fracasso e sim um grande sucesso. Chegamos todos juntos e seguros antecipadamente num destino planejado.

E a todos os meus amigos de viagem o meu muito obrigado.

03/11/2010 Posted by | Aventuras | | Deixe um comentário